78.4 F
Charleston
viernes, octubre 23, 2020
Inicio notícias locais Brasil documenta caso de paciente portadora do vírus há cinco meses

Brasil documenta caso de paciente portadora do vírus há cinco meses

Rio de Janeiro, 1 de setembro.- Paciente brasileiro portava Sars-CoV-2 por 152 dias com o patógeno ativo e em capacidade de transmissão, o que o torna o caso com maior presença do novo coronavírus em uma pessoa no mundo, segundo estudo divulgado nesta terça-feira pela imprensa.

O estudo do Laboratório de Virologia Molecular da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), ao qual o jornal O Globo teve acesso, apontou que o paciente não teve reincidência, mas permaneceu com o vírus por cinco meses, no caso até agora mais conhecido sobre a persistência do patógeno.

O trabalho das pesquisadoras Luciana Costa, Amilcar Tanuri e Teresinha Marta Castineiras, professores dos institutos de Microbiologia e Biologia e da Faculdade de Medicina da UFRJ, afirma que as pessoas assintomáticas são «os pilares da disseminação» do vírus.

A paciente, que não foi identificada, é profissional da área de saúde do Rio de Janeiro que em março apresentou sintomas leves associados ao COVID-19, permaneceu em quarentena domiciliar para orientação médica e retornou às atividades após passar os últimos cinco meses completamente assintomático.

A pesquisa, que realizou testes de diagnóstico molecular em 3.000 pessoas, inclui outros pacientes, a maioria profissionais de saúde, que nunca mais sentiram os sintomas e continuaram portando o vírus ativo por vários dias.

Desses 3.000 pacientes, 50 com teste positivo para COVID-19 e aparentemente recuperado retornaram por motivos diversos para fazer o teste clínico e em 15% foi detectado que continuavam com o vírus ativo.

Os responsáveis ​​indicaram que em 40% dos casos após os quatorze dias de quarentena recomendados pelas autoridades de saúde em todo o mundo, os pacientes podem continuar com o teste positivo para COVID-19, mas o vírus apesar de sua presença no corpo não tem mais capacidade de transmissão.

Os estudos agora visam determinar se 35% dos pacientes portadores do vírus inativado conseguiram desenvolver anticorpos, diferente do paciente que permaneceu com o patógeno por cinco meses e não conseguiu desenvolvê-los.

Porém, alertaram que, como no caso do paciente que incubou o vírus ativo por cinco meses, o controle é necessário por meio de vacinas, como as que vários países vêm desenvolvendo.

O Brasil é o segundo país mais afetado pela pandemia no mundo, atrás dos Estados Unidos, com mais de 3,9 milhões de casos confirmados e 121 mil mortes.

Convidamos você a fazer parte da nossa comunidade no Facebook, entre aqui.

- Advertisment -

VEA TAMBIÉN

Hora del espectáculo para el viernes en Holy City Drive-In

Holy City Drive-In Theatre continúa mostrando películas durante la pandemia para permitir un entretenimiento divertido en Lowcountry. Tendrán boletos...

“En la vida no hay tragedia, uno le pone la tragedia”: Eyda Arroyabe, sobreviviente de cáncer de mama

A propósito del mes de la prevención del cáncer de mama. En El Informador queremos compartir la historia de Eyda Arroyabe, Colombiana...

Latin Billboards: Daddy Yankee y Bad Bunny los más premiados

Los puertorriqueños Daddy Yankee y Bad Bunny fueron más premiados de la edición 2020 de los Latin Billboards, la noche de este...

2 años pasarán para nivelar a estudiantes con pérdida de aprendizaje en Charleston

Es posible que algunos estudiantes del condado de Charleston no se pongan al día donde deberían estar en matemáticas y lectura sino...