70.8 F
Charleston
miércoles, octubre 21, 2020
Inicio notícias locais Preços dos alimentos disparam no Brasil, aumento vertiginoso

Preços dos alimentos disparam no Brasil, aumento vertiginoso

O feijão preto subiu quase 30%, a carne bovina 40%: os brasileiros enfrentam um aumento vertiginoso dos preços dos alimentos –de acordo com índices do IBGE e da FGV para os últimos 12 meses-, causado por exportações recordes para a China e forte demanda doméstica.

Essa disparada, em meio à crise econômica e social causada pela pandemia de coronavírus, levou o presidente Jair Bolsonaro a pedir aos donos de supermercados que mostrem “patriotismo para manter na menor margem de lucro”.

A inflação (índice IPCA) medida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) foi de apenas 0,7% desde o início do ano, mas o item alimentação no domicílio disparou 6,10%.

Entre os alimentos básicos da dieta diária do Brasil, o preço do arroz disparou 19,3%, o feijão preto 28,9%, a farinha de milho 8,1% e o óleo de soja 18,6%.

Em relação às proteínas animais, segundo o IPCA calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), a carne bovina aumentou 38%, a de aves e os ovos 7,5% e a carne suína 19,4% entre setembro de 2019 e agosto de 2020.

A alta é explicada principalmente pelo apetite crescente de compradores estrangeiros, em particular da China, em um contexto de forte desvalorização do real frente ao dólar (-36% em um ano) e da guerra comercial entre Pequim e Washington, o que tem levado o gigante asiático a comprar mais no Brasil.

As safras de soja e milho, produtos dos quais o Brasil é o primeiro e o terceiro produtor mundial respectivamente, devem atingir níveis históricos este ano, mas isso não amenizará a situação do mercado interno.

A forte demanda externa “diminuiu a oferta dos alimentos no mercado brasileiro”, porque os agricultores preferem exportá-los, devido ao bom preço no mercado das commodities, disse à AFP André Braz, economista da FGV.

As exportações brasileiras de soja para a China aumentaram 29,5% entre janeiro e agosto em relação ao mesmo período do ano passado, segundo dados do ministério da Economia. A safra desse grão deve ter alta de 4,3% neste ano.

Ao mesmo tempo, a alta dos preços dos grãos e oleaginosas tem levado a maiores custos de produção para os pecuaristas, que alimentam suas vacas, galinhas e porcos com soja e farinha de milho.

“A diminuição do rebanho bovino em dois anos” e a demanda crescente da China também pressionaram os preços dessa proteína animal, explica Thiago Bernardino, do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (Cepea).

O vice-presidente Hamilton Mourão atribuiu na quarta-feira o aumento dos preços dos alimentos ao aumento do consumo interno, devido à ajuda emergencial de 600 reais que o governo concede desde abril aos mais pobres para lidar com a pandemia, valor que será reduzido pela metade em setembro.

“O dinheiro que o governo injetou na economia foi muito acima do que as pessoas estavam acostumadas”, disse.

– Confinamento –

No entanto, especialistas relativizam esse fator.

“No início do isolamento social, teve uma aceleração da demanda de alimentos para preparar em casa, como o feijão, cuja safra estava ruim no momento. Depois, o auxílio emergencial puxou a demanda, mas não é só ela que explica o aumento do preço”, diz Braz.

Quanto ao arroz, “seu consumo vinha diminuindo, o que tinha provocado queda no preço e na oferta. O setor estava bastante no equilíbrio, mas com a chegada da pandemia, houve um choque da demanda com estoques já reduzidos”, destaca Lucilio Alves, pesquisador do Cepea.

“O problema é que há alguns anos o governo abandona sua política de estoques reguladores, que permitem intervir no mercado quando tem inflação forte”, afirma Enori Barbieri, vice-presidente da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina.

Barbieri acredita que a isenção de impostos para as importações de arroz, anunciada na quinta-feira, não terá muito impacto sobre o preço nos supermercados, porque a desvalorização do real tornou as compras no exterior mais caras.

- Advertisment -

VEA TAMBIÉN

Historia encantada: Ángeles que rodean el roble más antiguo

JOHNS ISLAND, La historia del Live Oak Tree más grande al este del Mississippi comenzó con una concesión de tierras a fines...

«Armado y peligroso» Policía busca a hombre por asesinato

El Departamento de Policía de North Charleston está buscando a un hombre que, según ellos, está armado y es peligroso.

Exdirector de prisión de SC y asociado obtienen miles en pago por preso que escapó

El exdirector y director asociado del Instituto Correccional Lieber en Ridgeville recibió un pago combinado de $35,500 después de presentar una demanda...

El reto del mejor Altar de Día de Muertos en el mundo en Raleigh.

El Consulado General de México en Raleigh invita a la comunidad latina a participar del Reto de Altares IME 2020.